Meus seguidores

terça-feira, 1 de agosto de 2017

ENEM_Linguagens_Códigos_2009_cancelada

ENEM 2009 - (Edição cancelada)
ENEM 2009 - LINGUAGENS E CÓDIGOS - (Edição cancelada)

01
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  O texto a seguir é um trecho de uma conversa por meio de um programa de computador que permite comunicação direta pela Internet em tempo real, como o MSN Messenger. Esse tipo de conversa, embora escrita, apresenta muitas características da linguagem falada, segundo alguns linguistas. Uma delas é a interação ao vivo e imediata, que permite ao interlocutor conhecer, quase instantaneamente, a reação do outro, por meio de suas respostas e dos famosos emoticons (que podem ser definidos como "ícones que demonstram emoção").

  João diz: oi

  Pedro diz: blz?

  João diz: na paz e vc?

  Pedro diz: tudo trank

  João diz: oq vc ta fazendo?

  [...]

  Pedro diz: tenho q sair agora...

  João diz: flw

  Pedro diz: vlw, abc

Para que a comunicação, como no MSN Messenger se dê em tempo real, é necessário que a escrita das informações seja rápida, o que é feito por meio de

A
B
C
D
E


02
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Observe a tirinha da personagem Mafalda, de Quino.

QUINO, J. L. Mafalda. Tradução de Monica S. M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

O efeito de humor foi um recurso utilizado pelo autor da tirinha para mostrar que o pai de Mafalda

A
B
C
D
E


03
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   A maioria das declarações do imposto de renda é realizada pela Internet, o que garante maior eficiência e rapidez no processamento das informações.

Os serviços oferecidos pelo governo via Internet visam

A
B
C
D
E


04
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Iscute o que tô dizendo,

  Seu dotô, seu coroné:

  De fome tão padecendo

  Meus fio e minha muié.

  Sem briga, questão nem guerra,

  Meça desta grande terra

  Umas tarefa pra eu!

  Tenha pena do agregado

  Não me dêxe deserdado

  Daquilo que Deus me deu.

PATATIVA DO ASSARÉ. A terra é naturá. In: Cordéis e outros poemas. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2008 (fragmento).

A partir da análise da linguagem utilizada no poema, infere-se que o eu lírico revela-se como falante de uma variedade linguística específica. Esse falante, em seu grupo social, é identificado como um falante

A
B
C
D
E


05
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Disponível em: http://www.heliorubiales.zip.net.

A figura é uma adaptação da bandeira nacional. O uso dessa imagem no anúncio tem como principal objetivo

A
B
C
D
E


06
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   Vera, Sílvia e Emília saíram para passear pela chácara com Irene.

  — A senhora tem um jardim deslumbrante, dona Irene! — comenta Sílvia, maravilhada diante dos canteiros de rosas e hortênsias.

  — Para começar, deixe o "senhora" de lado e esqueça o "dona" também — diz Irene, sorrindo. — Já é um custo aguentar a Vera me chamando de "tia" o tempo todo. Meu nome é Irene.

   Todas sorriem. Irene prossegue:

  — Agradeço os elogios para o jardim, só que você vai ter de fazê-los para a Eulália, que é quem cuida das flores. Eu sou um fracasso na jardinagem.

BAGNO, M. A língua de Eulália: Novela Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2003 (adaptado).

Na língua portuguesa, a escolha por "você" ou "senhor(a)" denota o grau de liberdade ou de respeito que deve haver entre os interlocutores. No diálogo apresentado acima, observa-se o emprego dessas formas. A personagem Sílvia emprega a forma "senhora" ao se referir à Irene. Na situação apresentada no texto, o emprego de "senhora" ao se referir à interlocutora ocorre porque Sílvia

A
B
C
D
E


07
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   A escrita é uma das formas de expressão que as pessoas utilizam para comunicar algo e tem várias finalidades: informar, entreter, convencer, divulgar, descrever. Assim, o conhecimento acerca das variedades linguísticas sociais, regionais e de registro torna-se necessário para que se use a língua nas mais diversas situações comunicativas.

Considerando as informações acima, imagine que você está à procura de um emprego e encontrou duas empresas que precisam de novos funcionários. Uma delas exige uma carta de solicitação de emprego. Ao redigi-la, você

A
B
C
D
E


08
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   Páris, filho do rei de Tróia, raptou Helena, mulher de um rei grego. Isso provocou um sangrento conflito de dez anos, entre os séculos XIII e XII a. C. Foi o primeiro choque entre o ocidente e o oriente. Mas os gregos conseguiram enganar os troianos. Deixaram à porta de seus muros fortificados um imenso cavalo de madeira. Os troianos, felizes com o presente, puseram-no para dentro. À noite, os soldados gregos, que estavam escondidos no cavalo, saíram e abriram as portas da fortaleza para a invasão. Dai surgiu a expressão "presente de grego".

DUARTE, Marcelo. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Em "puseram-no", a forma pronominal "no" refere-se

A
B
C
D
E


09
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Cada um dos três séculos anteriores foi dominado por uma única tecnologia. O século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos que acompanharam a Revolução Industrial. O século XIX foi a era das máquinas a vapor. As principais conquistas do século XX se deram no campo da aquisição, do processamento e da distribuição de informações. Entre outros desenvolvimentos, vimos a instalação das redes de telefonia em escala mundial, a invenção do rádio e da televisão, o nascimento e crescimento sem precedentes da indústria de informática e o lançamento de satélites de comunicação.

TANEMBAUM, Andam. S. Redes de computadores. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

A fusão dos computadores e das comunicações teve profunda influência na organização da sociedade, conforme se verifica pela afirmação:

A
B
C
D
E


10
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   Em uma escola, com o intuito de valorizar a diversidade do patrimônio etnocultural brasileiro, os estudantes foram distribuídos em grupos para realizar uma tarefa referente às características atuais das diferentes regiões brasileiras, a partir do seguinte quadro:

Considerando a sequência de características apresentadas, os elementos adequados para compor o quadro da Região Sudeste são

A
B
C
D
E


11
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida da chuva, e descansou na pedra o cachimbo.

   Dois ou três passantes rodearam-no e indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta. O senhor gordo, de branco, sugeriu que devia sofrer de ataque.

TREVISAN, D. Uma vela para Dario. Cemitério de Elefantes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964 (adaptado).

No texto, um acontecimento é narrado em linguagem literária. Esse mesmo fato, se relatado em versão jornalística, com características de notícia, seria identificado em:

A
B
C
D
E


12
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

TEXTO A

OITICICA, H. Metaesquema I, 1958. Guache s/ cartão 52 cm x 64 cm. Museu de Arte Contemporânea - MAC/USP. Disponível em: http://www.mac.usp.br. Acesso em: 01 maio 2009.

TEXTO B

Metaesquema I

   Alguns artistas remobilizam as linguagens geométricas no sentido de permitir que o apreciador participe da obra de forma mais efetiva. Nesta obra, como o próprio nome define: meta - dimensão virtual de movimento, tempo e espaço; esquema - estruturas, os Metaesquemas são estruturas que parecem movimentar-se no espaço. Esse trabalho mostra o deslocamento de figuras geométricas simples dentro de um campo limitado: a superfície do papel. A isso podemos somar a observação da precisão na divisão e no espaçamento entre as figuras, mostrando que, além de transgressor e muito radical, Oiticica também era um artista extremamente rigoroso com a técnica.

Disponível em: http://www.mac.usp.br. Acesso em: 02 maio 2009 (adaptado).

Alguns artistas remobilizam as linguagens geométricas no sentido de permitir que o apreciador participe da obra de forma mais efetiva. Levando-se em consideração o texto e a obra Metaesquema I, reproduzidos acima verifica-se que

A
B
C
D
E


13
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Disponivel em: http://www.uol.com.br. Acesso em: 15 fev. 2009.

Observe a charge, que satiriza o comportamento dos participantes de uma entrevista coletiva por causa do que fazem, do que falam e do ambiente em que se encontram.

Considerando-se os elementos da charge, conclui-se que ela

A
B
C
D
E


14
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  O convívio com outras pessoas e os padrões sociais estabelecidos moldam a imagem corporal na mente das pessoas. A imagem corporal idealizada pelos pais, pela média, pelos grupos sociais e pelas próprias pessoas desencadeia comportamentos estereótipados que podem comprometer a saúde. A busca pela imagem corporal perfeita tem levado muitas pessoas a procurar alternativas ilegais e até mesmo nocivas à saúde.

Revista Corpoconsciência. FEFISA, v. 10. nº 2, Santo André, jul./dez. 2006. (adaptado).

A imagem corporal tem recebido grande destaque e valorização na sociedade atual. Como consequência,

A
B
C
D
E


15
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

TEXTO 1

  No meio do caminho

  No meio do caminho tinha uma pedra

  Tinha uma pedra no meio do caminho

  Tinha uma pedra

  No meio do caminho tinha uma pedra

  [...]

ANDRADE, C. D. Antologia poética. Rio de Janeiro/São Paulo: Reocord, 2000. (fragmento)

TEXTO 2

DAVIS, J. Garfield, um charme de gato - 7. Trad da Agência Internacional Press. Porto Alegre: L&PM, 2000.

A comparação entre os recursos expressivos que constituem os dois textos revela que

A
B
C
D
E


16
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Em Touro Indomável, que a cinemateca lança nesta semana nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, a dor maior e a violência verdadeira vêm dos demônios de La Motta - que fizeram dele tanto um astro no ringue como um homem fadado à destruição. Dirigida como um senso vertiginoso do destino de seu personagem, essa obra-prima de Martin Scorcese é daqueles filmes que falam à perfeição de seu tema (o boxe) para então transcendê-lo e tratar do que importa: aquilo que faz dos seres humanos apenas isso mesmo, humanos e tremendamente imperfeitos.

Revista Veja. 18 fev., 2009 (adaptado).

Ao escolher este gênero textual, o produtor do texto objetivou

A
B
C
D
E


17
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Cada vez mais, as pessoas trabalham e administram serviços de suas casas, corno mostra a pesquisa realizada em 1993 pela Fundação Europeia para a Melhoria da Qualidade de Vida e Ambiente de Trabalho. Por conseguinte, a 'centralidade da casa' é uma tendência importante da nova sociedade. Porém, não significa o fim da cidade, pois locais de trabalho, escolas, complexos médicos, postos de atendimento ao consumidor, áreas recreativas, ruas comerciais, shopping centers, estádios de esportes e parques ainda existem e continuarão existindo. E as pessoas deslocar-se-ão entre todos esses lugares com mobilidade crescente, exatamente devido à flexibilidade recém-conquistada pelos sistemas de trabalho e integração social em redes: como o tempo fica mais flexível, os lugares tornam-se mais singulares à medida que as pessoas circulam entre elas em um padrão cada vez mais móvel.

CASTELLS, M. A Sociedade em rede. V. 1. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

As tecnologias de informação e comunicação têm a capacidade de modificar, inclusive, a forma das pessoas trabalharem. De acordo com o proposto pelo autor

A
B
C
D
E


18
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Som de preto

  O nosso som não tem idade, não tem raça

  E não tem cor.

  Mas a sociedade pra gente não dá valor.

  Só querem nos criticar, pensam que somos animais.

  Se existia o lado ruim, hoje não existe mais,

  porque o 'funkeiro' de hoje em dia caiu na real.

  Essa história de 'portada', isso é coisa banal

  Agora pare e pense, se liga na 'responsa':

  se ontem foi a tempestade, hoje vira a bonança.

  É som de preto

  De favelado

  Mas quando toca ninguém fica parado

Música de Mc's Amilcka e Chocolate. In: Dj Malboro. Bem funk. Rio de Janeiro, 2001 (adaptado).

À medida que vem ganhando espaço na mídia, o funck carioca vem abandonando seu caráter local, associado às favelas e à criminalidade da cidade do Rio de Janeiro, tornando-se uma espécie de símbolo da marginalização das manifestações culturais das periferias em todo o Brasil. O verso que explicita essa marginalização é:

A
B
C
D
E


19
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Cientistas da Grã-Bretanha anunciaram ter identificado o primeiro gene humano relacionado com o desenvolvimento da linguagem, o FOXP2. A descoberta pode ajudar os pesquisadores a compreender os misteriosos mecanismos do discurso - que é uma característica exclusiva dos seres humanos. O gene pode indicar porque e como as pessoas aprendem a se comunicar e a se expressar e porque algumas crianças têm disfunções nessa área. Segundo o professor Anthony Monaco, do Centro Wellcome Trust de Genética Humana, de Oxford, além de ajudar a diagnosticar desordens de discurso, o estudo do gene vai possibilitar a descoberta de outros genes com imperfeições. Dessa forma, o prosseguimento das investigações pode levar a descobrir também esses genes associados e, assim, abrir uma possibilidade de curar todos os males relacionados à linguagem.

Disponível em: http://www.bbc.co.uk. Acesso em: 4 meio 2009 (adaptado).

Para convencer o leitor da veracidade das informações contidas no texto, o autor recorre à estratégia de

A
B
C
D
E


20
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Luciana trabalha em uma loja de venda de carros. Ela tem um papel muito importante de fazer a conexão entre os vendedores, os compradores e o serviço de acessórios. Durante o dia, ela se desloca inúmeras vezes da sua mesa para resolver os problemas dos vendedores e dos compradores. No final do dia, Luciana só pensa em deitar e descansar as pernas.

Na função de chefe preocupado com a produtividade (número de carros vendidos) e com a saúde e a satisfação dos seus funcionários, a atitude correta frente ao problema seria

A
B
C
D
E


21
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   Quer evitar pesadelos? Então não durma de barriga para cima. Este é o conselho de quem garante ter sido atacado pela Pisadeira. A meliante costuma agir em São Paulo e Minas Gerais. Suas vítimas preferidas são aquelas que comeram demais antes de dormir. Desce do telhado seu esconderijo usual - e pisa com muita força no peito e na barriga do incauto adormecido, provocando os pesadelos. Há controvérsias sobre sua aparência. De acordo com alguns, é uma mulher bem gorda. Já o escritor Cornélio Pires forneceu a seguinte descrição da malfeitora: "Essa é ua muié muito magra, que tem os dedos cumprido e seco cum cada unhão! Tem as perna curta, cabelo desgadeiado, quexo revirado pra riba e nari magro munto arcado; sobranceia cerrado e zoio aceso..."

  Pelo sim, pelo não, caro amigo....barriga para baixo e bons sonhos.

Almanaque de Cultura Popular. Ano 10, out. 2008. nº 114 (adaptado).

Considerando que as variedades linguísticas existentes no Brasil constituem patrimônio cultural, a descrição da personagem lendária, Pisadeira, nas palavras do escritor Cornélio Pires,

A
B
C
D
E


22
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   A ética nasceu na pólis grega com a pergunta pelos critérios que pudessem tornar possível o enfrentamento da vida com dignidade. Isto significa dizer que o ponto de partida da ética é a vida, a realidade humana, que, em nosso caso, é uma realidade de fome e miséria, de exploração e exclusão, de desespero e desencanto frente a um sentido da vida. É neste ponto que somos remetidos diretamente à questão da democracia, um projeto que se realiza nas relações da sociabilidade humana.

Disponível em: http://www.jornaldeopiniao.com.br Acesso em: 03 maio 2009.

O texto pretende que o leitor se convença de que a

A
B
C
D
E


23
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

DIGA NÃO AO NÃO

  Quem disse que alguma coisa é impossível?

  Olhe ao redor. O mundo está cheio de coisas que, segundo os pessimistas, nunca teriam acontecido.

  "Impossível."

  "Impraticável."

  "Não".

  E ainda assim, sim.

  Sim, Santos Dumont foi o primeiro homem a decolar a bordo de um avião, impulsionado por um motor aeronáutico. Sim, Visconde de Mauá, um dos maiores empreendedores do Brasil, inaugurou a primeira rodovia pavimentada do país. Sim, uma empresa brasileira também inovou no país. Abasteceu o primeiro voo comercial brasileiro. Foi a primeira empresa privada a produzir petróleo na Bacia de Campos.

  Desenvolveu um óleo combustível mais limpo, o OC Plus.

  O que é necessário para transformar o não em sim? Curiosidade. Mente aberta. Vontade de arriscar.

  E quando o problema parece insolúvel, quando o desafio é muito duro, dizer: vamos lá.

  Soluções de energia para um mundo real.

Jornal da ABI. nº 336, dez. de 2008 (adaptado).

O texto publicitário apresenta a oposição entre "impossível", "impraticável", "não" e "sim","sim", "sim". Essa oposição, usada como um recurso argumentativo, tem a função de

A
B
C
D
E


24
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Para convencer o leitor, o anúncio emprega como recurso expressivo, principalmente,

A
B
C
D
E


25
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Sentimental

  Ponho-me a escrever teu nome com

  letras de macarrão.

  No prato, a sopa esfria, cheia de escamas

  e debruçados na mesa todos contemplam

  esse romântico trabalho.

  

  Desgraçadamente falta uma letra,

  uma letra somente

  para acabar teu nome!

  

  — Está sonhando? Olhe que a sopa esfria!

  

  Eu estava sonhando...

  E há em todas as consciências este cartaz amarelo:

  "Neste pais é proibido sonhar."

ANDRADE, C. D. Seleta em Prosa e Verso. Rio de Janeiro: Record, 1995.

Com base na leitura do poema, a respeito do uso e da predominância das funções da linguagem no texto de Drummond, pode-se afirmar que

A
B
C
D
E


26
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Pobre Isaura! Sempre e em toda parte esta contínua importunação de senhores e de escravos, que não a deixam sossegar um só momento! Como não devia viver aflito e atribulado aquele coração! Dentro de casa contava ela quatro inimigos, cada qual mais porfiado em roubar-lhe a paz da alma, e torturar-lhe o coração: três amantes, Leôncio, Belchior, e André, e uma êmula terrível e desapiedado, Rosa. Fácil Ihe fora repelir as importunações e insolências dos escravos e criados; mas que seria dela, quando viesse o senhor?!...

GUIMARÃES, B. A escrava Isaura. São Paulo: Ática, 1995 (adaptado).

A personagem Isaura, como afirma o título do romance, era uma escrava. No trecho apresentado, os sofrimentos por que passa a protagonista

A
B
C
D
E


27
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

O SERTÃO E O SERTANEJO

  Ali começa o sertão chamado bruto. Nesses campos, tão diversos pelo matiz das cores, o capim crescido e ressecado pelo ardor do sol transforma-se em vicejante tapete de relva, quando lavra o incêndio quelgum tropeiro, por acaso ou mero desenfado, ateia com uma faúlha do seu isqueiro. Minando à surda na touceira. queda a vívida centelha. Corra daí a instantes qualquer aragem, por débil que seja, e levanta-se a língua de fogo esguia e trêmula, como que a contemplar medrosa e vacilante os espaços imensos que se alongam diante dela. O fogo, detido em pontos, aqui, ali, a consumir com mais lentidão algum estorvo, vai aos poucos morrendo até se extinguir de todo, deixando como sinal da avassaladora passagem o alvacento lençol, que lhe foi seguindo os velozes passos. Por toda a parte melancolia; de todos os lados tétricas perspectivas. É cair, porém, daí a dias copiosa chuva, e parece que uma varinha de fada andou por aqueles sombrios recantos a traçar as pressas jardins encantados e nunca vistos. Entra tudo num trabalho íntimo de espantosa atividade. Transborda a vida.

TAUNAY, A. Inocência. São Paulo: Ática 1993 (adaptado).

O romance romântico teve fundamental importância na formação da ideia de nação. Considerando o trecho acima, é possível reconhecer que uma das principais e permanentes contribuições do Romantismo para construção da identidade da nação é a

A
B
C
D
E


28
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Canção amiga

  Eu preparo uma canção,

  em que minha mãe se reconheça

  todas as mães se reconheçam

  e que fale como dois olhos.

  [...]

  Aprendi novas palavras

  E tornei outras mais belas.

  Eu preparo uma canção

  que faça acordar os homens

  e adormecer as crianças.

ANDRADE, C. D. Novos poemas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948 (fragmento).

A linguagem do fragmento acima foi empregada pelo autor com o objetivo principal de

A
B
C
D
E


29
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Isto

  Dizem que finjo ou minto

  Tudo que escrevo. Não.

  Eu simplesmente sinto

  Com a imaginação.

  Não uso o coração.

  

  Tudo o que sonho ou passo

  O que me falha ou finda,

  É como que um terraço

  Sobre outra coisa ainda.

  Essa coisa é que é linda.

  

  Por isso escrevo em meio

  Do que não está ao pé,

  Livre do meu enleio,

  Sério do que não é.

  

  Sentir? Sinta quem lê!

PESSOA, F. Poemas escolhidos. São Paulo: Globo, 1997.

Fernando Pessoa é um dos poetas mais extraordinários do século XX. Sua obsessão pelo fazer poético não encontrou limites. Pessoa viveu mais no plano criativo do que no plano concreto, e criar foi a grande finalidade de sua vida. Poeta da "Geração Orfeu", assumiu uma atitude irreverente.

Com base no texto e na temática do poema Isto, conclui-se que o autor revela seu conflito emotivo em relação ao processo de escritura do texto.

A
B
C
D
E


30
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  As imagens seguintes fazem parte de uma campanha do Ministério da Saúde contra o tabagismo.

Disponível em: http://www.cafesemfumo.blogspot.com. Acesso em: 10 abr. 2009 (adaptado).

O emprego dos recursos verbais e não-verbais nesse gênero textual adota como uma das estratégias persuasivas

A
B
C
D
E


31
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Texto l

  No meio do caminho tinha uma pedra

  tinha uma pedra no meio do caminho

  tinha uma pedra

  no meio do caminho tinha uma pedra

  [...]

ANDRADE, C. D. Reunião Rio de Janeiro: José Olympio, 1971 (fragmento).

Texto II

   As lavadeiras de Mossoró, cada uma tem sua pedra no rio: cada pedra é herança de família, passando de mãe a filha, de filha a neta, como vão passando as águas no tempo [...].

   Alavadeirã e a pedra formam um ente especial, que se divide e se reúne ao sabor do trabalho. Se a mulher entoa uma canção, percebe-se que nova pedra a acompanha em surdina... [...]

ANDRADE, C. D. Contos sem propósito. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil, Caderno B, 17/7/1979 (fragmento).

Com base na leitura dos textos, é possível estabelecer uma relação entre forma e conteúdo da palavra "pedra", por meio da qual se observa

A
B
C
D
E


32
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Esta gramática, pois que gramática implica no seu conceito o conjunto de normas com que torna consciente a organização de uma ou mais falas, esta gramática parece estar em contradição com o meu sentimento. É certo que não tive jamais a pretensão de criar a Fala Brasileira. Não tem contradição. Só quis mostrar que o meu trabalho não foi leviano, foi sério. Se cada um fizer também das observações e estudos pessoais a sua gramatiquinha muito que isso facilitará pra daqui a uns cinquenta anos se salientar normas gerais, não só da fala oral transitória e vaga, porém da expressão literária impressa, isto é, da estilização erudita da linguagem oral.

  Essa estilização é que determina a cultura civilizada sob o ponto de vista expressivo. Linguístico.

ANDRADE, Mário. Apud PINTO, E. P. A gramatiquinha de Mário de Andrade: texto e contexto. São Paulo: Duas Cidades: Secretaria de Estado da Cultura, 1990 (adaptado)

O fragmento é baseado nos originais de Mário de Andrade destinados à elaboração da sua Gramatiquinha. Muitos rascunhos do autor foram compilados, com base nos quais depreende-se do pensamento de Mário de Andrade que ele

A
B
C
D
E


33
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   A figura a seguir trata da “taxa de desocupação” no Brasil, ou seja, a proporção de pessoas desocupadas em relação à população economicamente ativa de uma determinada região em um recorte de tempo.

Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: abr. 2009 (adaptado).

A norma padrão da língua portuguesa está respeitada, na interpretação do gráfico, em:

A
B
C
D
E


34
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

  Ó meio-dia confuso,

  ó vinte-e-um de abril sinistro,

  que intrigas de ouro e de sonho

  houve em tua formação?

  Quem ordena, julga e pune?

  Quem é culpado e inocente?

  Na mesma cova do tempo

  cai o castigo e o perdão.

  Morre a tinta das sentenças

  e o sangue dos enforcados…

  – liras, espadas e cruzes

  pura cinza agora são.

  Na mesma cova, as palavras,

  o secreto pensamento,

  as coroas e os machados,

  mentira e verdade estão.

  [ ... ]

MElRELES, c. Romanceiro da Inconfidência. Rio de Janeiro: Aguilar, 1972. (fragmento)

O poema de Cecília Meireles tem como ponto de partida um fato da história nacional, a Inconfidência Mineira. Nesse poema, a relação entre texto literário e contexto histórico indica que a produção literária é sempre uma recriação da realidade, mesmo quando faz referência a um fato histórico determinado. No poema de Cecília Meireles, a recriação se concretiza por meio

A
B
C
D
E


35
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   A falta de espaço para brincar é um problema muito comum nos grandes centros urbanos. Diversas brincadeiras de rua tal como o pular corda, o pique pega e outros têm desaparecido do cotidiano das crianças. As brincadeiras são importantes para o crescimento e desenvolvimento das crianças, pois desenvolvem tanto habilidades perceptivo-motoras quanto habilidades sociais.

Considerando a brincadeira e o jogo como um importante instrumento de interação social, pois por meio deles a criança aprende sobre si, sobre o outro e sobre o mundo ao seu redor, entende-se que

A
B
C
D
E


36
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Texto I

   Principiei a leitura de má vontade. E logo emperrei na história de um menino vadio que, dirigindo-se à escola, se retardava a conversar com os passarinhos e recebia deles opiniões sisudas e bons conselhos. Em seguida vinham outros irracionais, igualmente bem-intencionados e bem falantes. Havia a moscazinha que morava na parede de uma chaminé e voava à toa, desobedecendo às ordens maternas, e tanto voou que afinal caiu no fogo. Esses contos me intrigaram com o [livro] Barão de Macaúbas. Infelizmente um doutor, utilizando bichinhos, impunha-nos a linguagem dos doutores. – Queres tu brincar comigo? O passarinho, no galho, respondia com preceito e moral, e a mosca usava adjetivos colhidos no dicionário. A figura do barão manchava o frontispício do livro, e a gente percebia que era dele o pedantismo atribuído à mosca e ao passarinho. Ridículo um indivíduo hirsuto e grave, doutor e barão, pipilar conselhos, zumbir admoestações.

RAMOS, G. Infância. Rio de Janeiro: Record, 1986 (adaptado)

Texto II

   Dado que a literatura, como a vida, ensina na medida em que atua com toda sua gama, é artificial querer que ela funcione como os manuais de virtude e boa conduta. E a sociedade não pode senão escolher o que em cada momento lhe parece adaptado aos seus fins, enfrentando ainda assim os mais curiosos paradoxos, pois mesmo as obras consideradas indispensáveis para a formação do moço trazem frequentemente o que as convenções desejariam banir. Aliás, essa espécie de inevitável contrabando é um dos meios por que o jovem entra em contato com realidades que se tenciona escamotear-lhe.

CANDIDO, A. A literatura e a formação do homem. Duas Cidades. São Paulo: Ed. 34, 2002 (adaptado).

Os dois textos, com enfoques diferentes, abordam um mesmo problema, que se refere, simultaneamente, ao campo literário e ao social. Considerando-se a relação entre os dois textos, verifica-se que eles têm em comum o fato de que

A
B
C
D
E


37
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Metáfora

Gilberto Gil

  Uma lata existe para conter algo,

  Mas quando o poeta diz: “Lata”

  Pode estar querendo dizer o incontível

  

  Uma meta existe para ser um alvo,

  Mas quando o poeta diz: “Meta”

  Pode estar querendo dizer o inatingível

  

  Por isso não se meta a exigir do poeta

  Que determine o conteúdo em sua lata

  Na lata do poeta tudo nada cabe,

  Pois ao poeta cabe fazer

  Com que na lata venha caber

  O incabível

  

  Deixe a meta do poeta não discuta,

  Deixe a sua meta fora da disputa

  Meta dentro e fora, lata absoluta

   Deixe-a simplesmente metáfora.

Disponível em: http://www.letras.terra.com.br. Acesso em: 5 fev. 2009.

A metáfora é a figura de linguagem identificada pela comparação subjetiva, pela semelhança ou analogia entre elementos. O texto de Gilberto Gil brinca com a linguagem remetendo-nos a essa conhecida figura. O trecho em que se identifica a metáfora é:

A
B
C
D
E


38
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

O Morcego

  Meia noite. Ao meu quarto me recolho.

  Meu Deus! E este morcego! E, agora, vede:

  Na bruta ardência orgânica da sede,

  Morde-me a goela ígneo e escaldante molho.

  

  “Vou mandar levantar outra parede…”

   — Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho

  E olho o teto. E vejo-o ainda, igual a um olho,

  Circularmente sobre a minha rede!

  

  Pego de um pau. Esforços faço. Chego

  A tocá-lo. Minh’alma se concentra.

  Que ventre produziu tão feio parto?!

  

  A Consciência Humana é este morcego!

  Por mais que a gente faça, à noite, ele entra

  Imperceptivelmente em nosso quarto!

ANJOS, A. Obra Completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1994

Texto 2

  O lugar-comum em que se converteu a imagem de um poeta doentio, com o gosto do macabro e do horroroso, dificulta que se veja, na obra de Augusto dos Anjos, o olhar clínico, o comportamento analítico, até mesmo certa frieza, certa impessoalidade científica.

CUNHA, F. Romantismo e modernidade na poesia. Rio de Janeiro: Cátedra, 1988 (adaptado).

Em consonância com os comentários do texto 2 acerca da poética de Augusto dos Anjos, o poema O morcego apresenta-se, enquanto percepção do mundo, como forma estética capaz de

A
B
C
D
E


39
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   Observe a obra “Objeto Cinético”, de Abraham Palatnik, 1966.

Disponível em: http://www.cronopios.com.br. Acesso em: 29 abr.2009.

A arte cinética desenvolveu-se a partir de um interesse do artista plástico pela criação de objetos que se moviam por meio de motores ou outros recursos mecânicos. A obra “Objeto Cinético”, do artista plástico brasileiro Abraham Palatnik, pioneiro da arte cinética,

A
B
C
D
E


40
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Manuel Bandeira

   Filho de engenheiro, Manuel Bandeira foi obrigado a abandonar os estudos de arquitetura por causa da tuberculose. Mas a iminência da morte não marcou de forma lúgubre sua obra, embora em seu humor lírico haja sempre um toque de funda melancolia, e na sua poesia haja sempre um certo toque de morbidez, até no erotismo. Tradutor de autores como Marcel Proust e William Shakespeare, esse nosso Manuel traduziu mesmo foi a nostalgia do paraíso cotidiano mal idealizado por nós, brasileiros, órfãos de um país imaginário, nossa Cocanha perdida, Pasárgada. Descrever seu retrato em palavras é uma tarefa impossível, depois que ele mesmo já o fez tão bem em versos.

Revista Língua Portuguesa, n° 40, fev. 2009.

A coesão do texto é construída principalmente a partir do(a)

A
B
C
D
E


41
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Ouvir estrelas

  “Ora, (direis) ouvir estrelas! Certo

  perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,

  que, para ouvi-las, muita vez desperto

  e abro as janelas, pálido de espanto…

  E conversamos toda noite, enquanto

  a Via-Láctea, como um pálio aberto,

  cintila. E, ao vir o Sol, saudoso e em pranto,

  inda as procuro pelo céu deserto.

  Direis agora: “Tresloucado amigo!

  Que conversas com elas?” Que sentido

  tem o que dizem, quando estão contigo?”

  E eu vos direi: “Amai para entendê-las!

  Pois só quem ama pode ter ouvido

  Capaz de ouvir e de entender estrelas”.

BILAC, Olavo. Ouvir estrelas. In: Tarde, 1919.

  

Ouvir estrelas

  Ora, direis, ouvir estrelas! Vejo

  que estás beirando a maluquice extrema.

  No entanto o certo é que não perco o ensejo

  De ouvi-las nos programas de cinema.

  Não perco fita; e dir-vos-ei sem pejo

  que mais eu gozo se escabroso é o tema.

  Uma boca de estrela dando beijo

  é, meu amigo, assunto p’ra um poema.

  Direis agora: Mas, enfim, meu caro,

  As estrelas que dizem? Que sentido

  têm suas frases de sabor tão raro?

  Amigo, aprende inglês para entendê-las,

  Pois só sabendo inglês se tem ouvido

  Capaz de ouvir e de entender estrelas.

TIGRE, Bastos. Ouvir estrelas. In: Becker, I. Humor e humorismo: Antologia. São Paulo: Brasiliense, 1961.

A partir da comparação entre os poemas, verifica-se que,

A
B
C
D
E


42
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Em uma famosa discussão entre profissionais das ciências biológicas, em 1959, C. P. Snow lançou uma frase definitiva: “Não sei como era a vida antes do clorofórmio”. De modo parecido, hoje podemos dizer que não sabemos como era a vida antes do computador. Hoje não é mais possível visualizar um biólogo em atividade com apenas um microscópio diante de si; todos trabalham com o auxílio de computadores. Lembramo-nos, obviamente, como era a vida sem computador pessoal. Mas não sabemos como ela seria se ele não tivesse sido inventado.

PIZA, D. Como era a vida antes do computador? OceanAir em Revista, n° 1, 2007 (adaptado)

Nesse texto, a função da linguagem predominante é

A
B
C
D
E


43
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Folclore designa o conjunto de costumes, lendas provérbios, festas tradicionais/populares, manifestações artísticas em geral, preservado, por meio da tradição oral, por um povo ou grupo populacional. Para exemplificar, cita-se o frevo, um ritmo de origem pernambucana surgido no início do século XX. Ele é caracterizado pelo andamento acelerado e pela dança peculiar, feita de malabarismo, rodopios e passos curtos, além do uso, como parte da indumentária, de uma sombrinha colorida, que permanece aberta durante a coreografia.

As manifestações culturais citadas a seguir que integram a mesma categoria folclórica descrita no texto são

A
B
C
D
E


44
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

Texto 1:

Canção do exílio

  Minha terra tem palmeiras,

  Onde canta o Sabiá;

  As aves, que aqui gorjeiam,

   Não gorjeiam como lá.

  

  Nosso céu tem mais estrelas,

  Nossas várzeas têm mais flores,

  Nossos bosques têm mais vida,

  Nossa vida mais amores.

  [...]

  

  Minha terra tem primores,

  Que tais não encontro eu cá;

  Em cismar — sozinho, à noite —

  Mais prazer eu encontro lá;

  Minha terra tem palmeiras

  

  Onde canta o Sabiá.

  Não permita Deus que eu morra,

  Sem que eu volte para lá;

  Sem que desfrute os primores

  Que não encontro por cá;

  Sem qu’inda aviste as palmeiras

  Onde canta o Sabiá.

DIAS, G. Poesia e prosa completas.Rio de Janeiro: Aguilar, 1998.

  

Texto 2:

Canto de regresso à Pátria

  Minha terra tem palmares

  Onde gorjeia o mar

  Os passarinhos daqui

  Não cantam como os de lá

  

  Minha terra tem mais rosas

  E quase tem mais amores

  Minha terra tem mais ouro

  Minha terra tem mais terra

  Ouro terra amor e rosas

  Eu quero tudo de lá

  Não permita Deus que eu morra

  Sem que volte para lá

  

  Não permita Deus que eu morra

  Sem que volte pra São Paulo

  Sem que eu veja a rua 15

  E o progresso de São Paulo

Os textos 1 e 2, escritos em contextos históricos e culturais diversos, enfocam o mesmo motivo poético: a paisagem brasileira entrevista a distância. Analisando-os, conclui-se que

A
B
C
D
E


45
(ENEM 2009 - Edição cancelada).

   O homem desenvolveu seus sistemas simbólicos para utilizá-los em situações específicas de interlocução. A necessidade de criar dispositivos que permitissem o diálogo em momentos e/ou lugares distintos levou à adoção universal de alguns desses sistemas. Considerando que a interpretação de textos codificados depende da sintonia e da sincronia entre o emissor e o receptor, pode-se afirmar que

A
B
C
D
E





Nenhum comentário:

Postar um comentário