Meus seguidores

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Quiz 16: PORTUGUÊS 9° ANO

Quiz 16: PORTUGUÊS 9° ANO
QUIZ 16: PORTUGUÊS 9° ANO

1. (PAEBES). Leia o texto abaixo.

Esopo

    O autor grego Esopo é um dos maiores criadores de fábulas, narrativas algóricas – com animais inseridos em situações humanas – que são concluídas com algum ensinamento moral.

    Uma das mais famosas, A Raposa e as Uvas, conta a história de uma raposa que observa videiras em altas estruturas de madeira e, ao não conseguir alcançá-las, desdenha das uvas que antes desejava. Por meio da simplicidade e de uma linguagem pedagógica, as fábulas de Esopo tratam de assuntos profundos e inerentes às condições humanas. Em A Raposa e as Uvas, ele mostra como o homem pode alterar sua opinião quando lhe convém.

    O desprezo da raposa pelas uvas é uma clara referência ao costume de desvalorizar aquilo que não consegue conquistar, com o intuito de se livrar da responsabilidade pelo próprio fracasso.

    Recontadas e adaptadas por outros autores ao longo dos séculos, as fábulas de Esopo constituem um importante alicerce para a tradição de histórias curtas e diretas que originaram o conto como o conhecemos hoje.

    A biografia de Esopo é incerta. A referência mais antiga é encontrada no historiados Heródoto (século 5 a.C.), segundo quem ele foi um escravo que viveu no século 6 a.C. e contava suas fábulas oralmente. A obra do fabulista só seria reunida e escrita em 325 a.C. por Demétrio de Falero.

Revista Especial BRAVO!, 100 contos essências da literatura mundial. ed.9.2009.p.108.

De acordo com esse texto, Esopo é um


2. (SAEP). Leia o texto abaixo.

Superstições mais comuns

    Pé direito: Entrar em um recinto ou levantar com o pé direito traz sorte o dia todo. Superstição.

    Orelha: Se a sua orelha esquerda esquentar de repente, é porque alguém está falando mal de você. Nesses casos, vá dizendo o nome dos suspeitos até a orelha parar de arder. Para aumentar a eficiência do contra-ataque, morda o dedo mínimo da mão esquerda: o sujeito irá morder a própria língua. Superstição.

    Coceiras: Se a palma da mão direita coçar, é sinal que irá receber dinheiro. Se a palma da mão esquerda é que estiver coçando, uma visita desconhecida está para aparecer. Coceira na sola do pé significa viagem ao exterior. Superstição.

    Gatos: Na Idade Média, acreditava-se que os gatos pretos eram bruxas transformadas em animais. Por isso a tradição diz que cruzar com gato preto é azar na certa. Os místicos, no entanto, têm outra versão. Quando um gato preto entra em casa é sinal de dinheiro chegando. Acariciar um gato atrai boa sorte. Ter um gato em casa atrai fortuna. Se um gato dobrar as suas patas e se deitar sobre elas deixando-as escondidas é sinal que uma tempestade está por vir. Superstição.

    Escada: Passar debaixo de uma escada dá azar. Superstição.

    Espelhos: Quem quebrar um espelho terá sete anos de azar. Ficar se admirando num espelho quebrado é ainda pior. Significa quebrar a própria alma. Ninguém deve se olhar também num espelho à luz das velas. Não permita ainda que outra pessoa se olhe no espelho ao mesmo tempo em que você. Superstição. [...]

Disponível em: http://www.fabulasecontos.com.br/?pg=descricao&id=311. Acesso em: 6 jun. 2011. Fragmento.

De acordo com as informações presentes nesse texto, conclui-se que superstição é


3. (IPOJUCA - PE). Leia o texto abaixo.

DAVIS, Jim. Garfield – um gato em apuros. Porto Alegre: L&PM, 2012. p. 33.

De acordo com esse texto, o gato


4. (Ibajara- CE). Leia o texto (fragmento).

    Eu era uma criança que vivia na cidade, no meio daquela confusão de vidas, naquela selva sufocante do salve-se quem puder. Tinha o costume de ir passar as férias da escola numa aldeia, da qual eram naturais os meus pais e onde ainda viviam os meus avós. Uma aldeia típica do Portugal profundo, onde o sossego é feito de pedra e casas pequenas, onde o ritmo alucinante da cidade é esquecido para dar lugar a uma serenidade possante e onde os segundos são perdidos por entre um bom dia à vizinha que se prolonga numa interminável conversa sobre as alfaces e os repolhos da horta.

(rascunhosecia.blogspot.com)

A tese defendida pelo texto encontramos em


5. (REME). Leia o texto abaixo.

    “Acho que não tem cabimento [fazer experimentos em animais], não importa o bicho! Isso é um absurdo de qualquer jeito! Um animal também sente. E se fosse com você? Minhas amigas compram vários cosméticos, eu também ficava louca para comprar quando ia à farmácia, mas agora vou pesquisar e só vou comprar marcas que não fazem experimentos em animais. Temos que lembrar que eles não são animais de pelúcia”.

Amália Garcez

Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folhinha /2013/10/1363813 -so-vou-utilizar-cosmeticos-que-nao-fazem -testes-em-animais-dizamalia-10.shtml. Acesso em: 14 mar. 2014.

No Texto, qual trecho apresenta um argumento utilizado pela autora para defender sua opinião?


6. (SPAECE). Leia o texto abaixo.

Por que não conseguimos fazer greve de sono?

Alexandre Werneck, por e-mail.

    Por mais banho gelado que tome, chega uma hora em que o sujeito apaga. Literalmente. “Fazer greve de sono é impossível. Em média, após 96 horas de privação, o indivíduo não aguenta e sofre um rebote de sono”, diz a pneumologista Lia Rita Azeredo Bittencourt, da Associação Brasileira do Sono. E, segundo a neurologista Andréa Bacelar, da Sociedade de Neurofisiologia Clínica do Rio de Janeiro, não há café, mate ou guaraná que dê jeito. E por um motivo simples: tais substâncias, explica ela, não têm efeito acumulativo. “É importante não brigarmos nunca com esse fenômeno fisiológico involuntário chamado sono porque, nessa briga, só existe um vencedor. E, dependendo da atividade que estivermos realizando, podemos colocar nossa vida e a de terceiros em risco”, diz Andréa.

    Mesmo assim, contrariando as previsões médicas, o finlandês Toimi Soini bateu, em 1.964, o recorde mundial de privação de sono: 276 horas (ou 11 dias e meio). A façanha foi reconhecida pelo Guinness Book, o livro dos recordes, em 1.989, mas a categoria foi extinta pouco depois.

    Motivo? Causava muitos males à saúde dos candidatos.

Revista Galileu, 213 ed., Globo, abr. 2009. p. 32. *Adaptado: Reforma Ortográfica.

A ideia central desse texto está contida em


7. (Reforço digital - RJ). Leia o texto a seguir e responda.

Nunca é tarde, sempre é tarde

    Conseguiu aprontar-se, mas não teve tempo de guardar o material de maquiagem espalhado sobre a penteadeira. Olhou-se no espelho. Nem bonita, nem feia. Secretária. Sou uma secretária, pensou, procurando conscientizar-se. Não devo ser, no trabalho, nem bonita, nem feia. Devo me pintar, vestir-me bem, mas sem exagero. Beleza mesmo é pra fim de semana. Nem bonita, nem feia, disse consigo mesma. Concluiu que não havia tempo nem para o café. Cruzou a sala e o hall em disparada, na direção da porta de saída.[...]

Fiorani, Sílvio. Os estandartes de Átila. Rio de Janeiro: Codecri, 1980

O problema que gera as reflexões do personagem-narrador é


8. (Leia o texto a seguir e responda.

O Lobo e a Cabra

(Esopo)

    Um lobo viu uma cabra pastando em cima de um rochedo escarpado e, como não tinha condições de subir até lá, resolveu convencer a cabra a vir mais para baixo.

    – Minha senhora, que perigo! – disse ele numa voz amigável. – Não seja imprudente, desça daí! Aqui embaixo está cheio de comida, uma comida muito gostosa.

    Mas a cabra conhecia os truques do esperto lobo.

    – Para o senhor, tanto faz se a relva que eu como é boa ou ruim! O que o senhor quer é me comer!

Moral: Cuidado quando um inimigo dá um conselho amigo.

Fonte: ESOPO. Fábulas de Esopo. São Paulo: Cia das Letrinhas, 1994.

O fato que marca o final da história é


9. (SAEMU – CE). Leia o texto abaixo e responda.

Carta virtual.

    Sorriso :-) (-: :) =) :o) Muito feliz (ou sorrindo muito) :-D Triste ou indiferente :-( (:-( :-c :-< :-(((( :-t :-/ Sem expressão ou entediado :-| :-I Surpreso ou de boca fechada :-X Boca fechada (sem dizer uma palavra) :-v Pensando ou assimilando :-I Gritando :-O :-@ Chorando :,-( :'-( Diabólico ou travesso ]:-)> ):-) Piscando o olho ;-> ;-) ;) '-) Beijo :-x :-* De óculos 8-] 8-) B-) Mostrando a língua :-J :-p Bobo :-B Bocejando |-O Assoviando :-" Abraço ((( ))) []'s Rosa @->-

(www.webartigos.com)

Podemos observar que o texto nos mostra uma linguagem diferente daquilo que nos parece usual. Encontramos esse tipo de linguagem:


10. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

Dicionário de criança

    O menino de sete anos chegou até o pai e pediu um dicionário.

    O pai lhe botou na mão um dicionário escolar, bastante simples. A criança olhou, leu, sacudiu a cabeça:

    – Tá difícil, pai, isso aí não interessa. Não tem dicionário de criança?

    Hoje deve ter, mas naquele tempo não tinha. Enquanto os adultos pensavam no que fazer, o menino decidiu:

    – Eu vou escrever um, posso?

    Claro que podia. Pegou-se um arquivo, que ainda existe, com folhas amarelas e sua caprichada letra de menino. O alfabeto ele conhecia, escrevia direitinho, e depois de uma semana chuvosa de férias saíram vários verbetes.

    Alguns deles aqui vão: [...]

    Seco. Seco é o contrário de molhado. Por exemplo: quando não chove fica tudo seco. Quando o sol fica raiando muitos dias tudo fica seco. Sem sol nada fica seco. Aí a mãe reclama que está tudo úmido. Úmido é um tipo de molhado, mas o sol não pode raiar o tempo todo. Porque daí todas as plantas se queimam e então também tem que existir a chuva. Que é molhada.

    Zero. Eu lembrei outra palavra com essa letra, o zero. O zero não e uma palavra porque é um número. Mas número a gente também escreve o nome dele. Outro dia minha mãe disse que ela é um zero na cozinha. Eu não entendi direito isso. Nota zero parece que é quando alguém é preguiçoso na escola ou burro. O zero que eu conheço é um número assim meio redondo quase como um ovo. Um cara é um zero à esquerda quando não trabalha direito. Isso aí foi meu pai quem falou.

LUFT, Lya. Pensar é transgredir. 7. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004. p.149-152. Fragmento.

Com relação à pesquisa no dicionário, há uma opinião do menino em:


11.(SAEPI). Leia o texto e, responda:

Cuidado com a catapora

    Clima seco e dias mais quentes. Receita propícia à propagação de vários vírus, inclusive o da catapora, que tem tirado o sossego de muitas crianças na região sul de Minas. O médico pediatra José Alencar Faleiros, de Varginha, explica que atualmente os casos da doença reduziram bastante em função das vacinas, mas mesmo assim ainda preocupam. Isso porque, uma vez instalada, a catapora requer cuidados, principalmente quando surge acompanhada de febre. Os anti-inflamatórios e vacinas não devem ser ministrados para não interferirem no processo normal da doença. Nos casos de febre, analgésicos à base de dipirona são os mais aconselháveis. Para diminuir a coceira, banhos com permanganato.

Hoje em dia. 3 set. 2009.

No Texto, em “Os anti-inflamatórios e vacinas não devem ser ministrados para não interferirem no ...”, as palavras destacadas indicam


12. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

Disponível em: http://www.telaquente.com.br. Acesso em: 10 jan. 2010.

No último quadrinho desse texto, a expressão “VAMOS CHUVA” foi escrita com letras grandes para indicar que




Nenhum comentário:

Postar um comentário