Meus seguidores

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Quiz 12: PORTUGUÊS 9° ANO

Quiz 12: PORTUGUÊS 9° ANO
QUIZ 12: PORTUGUÊS 9° ANO

1. (SIMAVE). Leia o texto abaixo.

  Além da imaginação

  Tem gente passando fome.

  E não é a fome que você imagina

  entre uma refeição e outra.

  Tem gente sentindo frio.

  E não é o frio que você imagina

  entre o chuveiro e a toalha.

  Tem gente muito doente.

  E não é a doença que você imagina

  entre a receita e a aspirina.

  Tem gente sem esperança.

  E não é o desalento que você imagina

  entre o pesadelo e o despertar.

  Tem gente pelos cantos.

  E não são os cantos que você imagina

  entre o passeio e a casa.

  Tem gente sem dinheiro.

  E não é a falta que você imagina

  entre o presente e a mesada.

  Tem gente pedindo ajuda.

  E não é aquela que você imagina

  entre a escola e a novela.

  Tem gente que existe e parece

  imaginação.

TAVARES, Ulisses. Viva a poesia viva. São Paulo: Saraiva, 1977. p.57.

No final desse texto, a expressão “parece imaginação” sugere que as pessoas muito necessitadas


2.(SAERJ). Leia o texto abaixo e responda.

Recreio. São Paulo: Abril, ano 10, n. 479, p. 24, 14 maio 2009.

Esse texto é engraçado, porque


3. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

Tormento não tem idade

    ─ Meu filho, aquele seu amigo, o Jorge, telefonou.

    ─ O que é que ele queria?

    ─ Convidou você para dormir na casa dele, amanhã.

    ─ E o que é que você disse?

    ─ Disse que não sabia, mas achava que você iria aceitar o convite.

    ─ Fez mal, mamãe. Você sabe que odeio dormir fora de casa.

    ─ Mas meu filho, o Jorge gosta tanto de você...

    ─ Eu sei que ele gosta de mim. Mas eu não sou obrigado a dormir na casa dele por causa disso, sou?

    ─ Claro que não. Mas...

    ─ Mas o que, mamãe?

    ─ Bem, quem decide é você. Mas, que seria bom você dormir lá, seria.

    ─ Ah, é? E por quê?

    ─ Bem, em primeiro lugar, o Jorge tem um quarto novo de hóspedes e queria estrear com você. Ele disse que é um quarto muito lindo. Tem até a TV a cabo.

    ─ Eu não gosto de tevê.

    [...]

    ─ Eu faço a maleta para você, meu filho. Eu arrumo suas coisas direitinho. Você vai ver.

    ─ Não, mamãe. Não insista, por favor. Você está me atormentando com isso. Bem, deixe eu lhe lembrar uma coisa, para terminar com essa discussão: amanhã eu não vou a lugar nenhum. Sabe por que, mamãe? Amanhã é meu aniversário. Você esqueceu?

    ─ Esqueci mesmo. Desculpe, filho.

    ─ Pois é. Amanhã estou fazendo 50 anos. E acho que quem faz 50 anos tem o direito de passar a noite com sua mãe, não é verdade?

SCLIAR, Moacyr. Folha de São Paulo, 3 set. 2001, p. C2.

O trecho dessa narrativa que explica o que resolveu o problema é


4. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

Texto 1

As Borboletas

    Brancas

    Azuis

    Amarelas

    E pretas

    Brincam na luz

    As belas borboletas

    Borboletas brancas

    São alegres e francas.

    Borboletas azuis

    Gostam muito de luz.

    As amarelinhas

    São tão bonitinhas!

    E as pretas, então . . .

    Oh, que escuridão!

MORAES, Vinícius de. A arca de Noé. Companhia das Letrinhas, 1991.


Texto 2

Borboletas

    As borboletas são insetos com dois pares de asas. Vive melhor em regiões tropicais pelo clima quente e alimento abundante.

    Existem aproximadamente 200 mil espécies de borboletas, mas somente 120 mil estão registradas.

    As borboletas se alimentam de vegetais e néctar. Pesam cerca de 0,3 gramas sendo que a maior pode pesar 3 gramas.

    Chegam a ter 32 centímetros de asa a asa. As borboletas vivem em média duas semanas.

http://www.brasilescola.com /animais/borboleta.htm

Esses textos falam sobre


5. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

Secretário de Turismo diz que eleição do Cristo irá impulsionar setor

    O secretário especial de Turismo do Rio, Rubem Medina, afirmou neste sábado que a escolha do Cristo Redentor como uma das sete novas maravilhas do mundo irá trazer incentivos ao setor. Para ele, a conquista trará “um fluxo ainda maior de turistas” e representa a geração de “mais empregos no futuro”.

    “O que orgulha é que é algo que envolveu o mundo inteiro, que teve uma divulgação mundial. Eu acho que essa é uma vitória do Rio e de todo o povo brasileiro.” Medina soube do resultado da eleição quando participava do Live Earth, em Copacabana (zona sul do Rio). Ele minimizou as críticas que colocaram em dúvida a legitimidade da eleição das sete novas maravilhas.

    “Eu não ligo. Questionaram isso aqui também [o Live Earth] e olha só o sucesso que está sendo. Nenhum país do mundo tem isso aqui”.

www1.folha.uol.com.br/folha/ ilustrada/ult90u310224.shtml.

A frase que expressa uma opinião é


6. Leia o texto abaixo e responda.

A bola

    O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira bola do pai. (...)

    O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse “Legal!”. Ou o que os garotos dizem hoje em dia quando gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de alguma coisa.

    — Como é que liga? – perguntou.

    — Como, como é que liga? Não se liga.

    O garoto procurou dentro do papel de embrulho.

    — Não tem manual de instrução?

    O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente outros.

    — Não precisa manual de instrução.

    — O que é que ela faz?

    — Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela.

    — O quê?

    — Controla, chuta...

    — Ah, então é uma bola.

    — Claro que é uma bola.

    — Uma bola, bola. Uma bola mesmo.

    — Você pensou que fosse o quê?

    — Nada não...

(Luis Fernando Veríssimo – Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001,pp. 41-42.)

O tema do texto está presente em


7. (PROEB). Leia o texto abaixo e responda.

Decida

    Em um mundo cada vez mais complexo, com excesso de informação, pressão por desempenho e repleto de alternativas, as pessoas precisam tomar decisões também a respeito de assuntos delicados. E devem fazer isso sem ter muito tempo para pensar.

    Cada vez mais, o sucesso e a satisfação pessoal dependem da habilidade de fazer escolhas adequadas. Com frequência, as pessoas são instadas a tomar uma decisão que pode modificar sua vida pessoal. Devo ou não me casar? Que tal só morarmos juntos? Devo ou não me separar? [...] Em que escola matricular nosso filho? Aliás, ele vai ganhar carro aos 18 anos ou sairá à noite de carona [...]? É certo comprar aquela casa maior e contrair um financiamento a perder de vista? No trabalho, acontece a mesma coisa. Devo dar uma resposta dura àquela provocação feita pelo chefe? Peço ou não peço aumento? Posso ou não baixar os preços dos produtos que vendo de forma a aumentar a saída? Que tal largar tudo e abrir aquela pousada na praia? Psicólogos americanos que estudaram a vida de gerentes empregados em grandes companhias descobriram que eles chegam a tomar uma decisão a cada nove minutos. São mais de 10.000 decisões por ano – 10.000 possibilidades de acertar, ou de errar. Não há como fugir. Ou você decide, ou alguém decide em seu lugar.

Veja. 14 jan. 04. *Adaptado: Reforma Ortográfica. Fragmento.

Nesse texto, qual das frases refere-se à decisão sobre o trabalho?


8. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

www2.uol.com.br/niquel/.

O que torna esse texto engraçado é o fato de a barata Fliti


9. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

Texto 1

O chulé das pessoas nervosas é mais fedido

Todo mundo tem chulé?

    Tem. Uns, lamentavelmente, mais do que outros. Indivíduos tensos, ansiosos e obesos suam mais e os pés cheiram pior. Diferenças raciais também interferem no chulé. Segundo o professor Luiz Cucê, dermatologista da Universidade de São Paulo, os povos mediterrâneos suam mais os pés.

    O chulé é causado por bactérias que decompõem o suor e resto de peles dos pés.. “Os micróbios só sobrevivem em ambientes ácidos”, diz Cucê. Para tirar o cheiro, basta neutralizar a acidez, usando uma substância alcalina, como o talco ou bicarbonato de sódio.

    Outra solução é passar álcool, que mata bactérias e seca o suor. No verão, convém usar sapatos que deixem o ar circular. Se você adora o seu coturno, evite tirá-lo em público.

Superinteressante. São Paulo: Abril, ano 12, n. 1, jan.1998. p. 74-5.


Texto 2

Sai do meu pé, chulé!

Como evitar

  • Enxugue muito bem os pés depois de lavá-los.

  • Não use o mesmo par de tênis durante vários dias seguidos.

  • Depois de tirar os sapatos, nada de guardá-los direto no armário.

  • Coloque-os em um lugar arejado.

  • No calor, prefira os calçados abertos. Deixe os pés respirarem!

  • Use talcos para os pés. A casa Granato fabrica um ótimo desde os tempos da sua avó.

  • Lave os pés uma vez por dia, ao menos!

Revista Veja Kid. São Paulo: Abril Jovem, ano 1, n.0, p. 74-5.

Comparando-se esses textos, observa-se que os dois


10. (SAEMS). Leia o texto abaixo e responda.

A vida pelo telefone

    Durante meses, eu e meu amigo nos falamos por telefone. Sempre reclamávamos da escassez de encontros pessoais.

    – Precisamos nos ver! – ele dizia.

    – Vou arrumar um tempinho, eu prometia.

    Posso ser antiquado, mas acredito que nada substitui o olho no olho. A expressão, o jeito de falar, a gargalhada espontânea, tudo isso dá nova dimensão ao relacionamento. Cumpri minha promessa e fui a seu apartamento. Nos primeiros dez minutos, falamos da vida como não fazíamos havia bastante tempo. Em seguida, tocou o telefone.

    – Um momento.

    Iniciou-se uma longa discussão sobre quem compraria ingressos para um espetáculo. Já estava desligando, quando se ouviu o celular. [...] Falou rapidamente com a primeira pessoa, desligou e voltou ao celular. Foi a vez do bip, que tocou insistentemente. Pediu desculpas, foi ver a mensagem. Recado urgente para chamar determinada pessoa. Novamente, trocou mais algumas frases ao celular. Desligou. Pediu-me novas desculpas. Ligou para quem o havia bipado. Mais questões de trabalho. Quando anotava alguns detalhes, a linha, digital, anunciou que mais alguém queria falar. Pediu licença e atendeu a outra linha. Olhou paramim e pediu desculpas. [...] Entrou um fax.

    Observei o relógio demoradamente. Aproveitei o intervalo entre o bip e um novo telefonema para dizer bem depressa:

    Preciso ir. Depois eu ligo.

    Sorriu, satisfeito.

    – Então me chame depois. Não esqueça, hein?

    – Mando um e-mail e você me responde. Assim o papo fica melhor.

    Gostou da ideia, sem perceber a ironia. Pediu mais um minutinho no telefone, dizendo que ia me levar até a porta e já voltava. Comentou, já tranquilo:

    – Nossa, como a gente tem coisas pra falar. Você ficou mais de duas horas aqui e nem botamos tudo em dia.

    Repuxei os lábios, educadamente. Certas pessoas estão grudadas aos telefones, celulares, bips e e-mails. Inventou-se de tudo para facilitar a comunicação. Às vezes acredito que, justamente por causa disso, ela anda se tornando cada vez mais difícil.

CARRASCO, Walcyr. A vida pelo telefone. In: Veja São Paulo, Abril, 19 abr. 2000. *Adaptado: Reforma Ortográfica.

De acordo com esse texto, a visita resolveu ir embora, porque


11. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

Entrevista com Marcos Bagno

    Em geral, o preconceito linguístico é exercido pelas pessoas que ocupam as classes sociais dominantes, que tiveram acesso à educação formal, portanto, à norma-padrão de prestígio. Assim, acreditam que seu modo de falar é mais “certo” e mais “bonito” que o das pessoas com pouca ou nenhuma escolarização. O preconceito linguístico é somente um disfarce: não é a língua da pessoa que é discriminada, mas a própria pessoa em sua identidade individual e social.

VECCHI, Viviane. Entrevista com Marcos Bagno. Disponível em: http://www.facasper.com.br /jo/entrevistas.

Nesse texto, o lingüista defende a ideia de que o preconceito linguístico


12. (Equipe PIP). Leia o texto abaixo.

A gansa dos ovos de ouro

(Fábula de Esopo recontada por Ana Maria Machado)

    Era uma vez um casal de camponeses que tinha uma gansa muito especial. De vez em quando, quase todo dia, ela botava um ovo de ouro. Era uma sorte enorme, mas em pouco tempo ele começaram achar que podiam ficar muito mais ricos se ela pusesse um ovo daqueles por hora ou a todo momento que eles quisessem. Falavam nisso sem parar, imaginando o que fariam com tanto ouro.

    - Que bobagem a gente ficar esperando que todo dia saia dessa gansa um pouquinho... Ela deve ter dentro dela um jeito especial de fabricar ouro. Isso era o que a gente precisava.

    - Isso mesmo. Deve ter uma maquininha, um aparelho, alguma coisa assim. Se a gente pegar pra nós, não precisa mais da gansa.

    - E... Era melhor ter tudo de uma vez. E ficar muito rico.

    E resolveram matar a gansa para pegar todo o ouro.

    Mas dentro não tinha nada diferente das outras gansas que eles já tinham visto – só carne, tripa, gordura...

    E eles não pegaram mais ouro. Nem mesmo ganharam um ovo de ouro, nunca mais.

A palavra Isso marcada no texto se refere a:




Nenhum comentário:

Postar um comentário