Meus seguidores

domingo, 1 de janeiro de 2017

Quiz 12: PORTUGUÊS 5° ANO

Quiz 12: PORTUGUÊS 5° ANO
QUIZ 12: PORTUGUÊS 5° ANO

1. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Sinopse do filme Xuxa e o Mistério de Feiurinha

    O que acontece depois do “felizes para sempre”? Este outro lado dos contos de fadas virá ao mundo real quando uma princesa encantada desaparece misteriosamente.

    Ao perceberem que Feiurinha sumiu, todas as princesas encantadas, como Rapunzel, Bela-Fera, Branca de Neve, Bela Adormecida e Cinderela ficam preocupadas e com medo de que isso também possa acontecer com elas, especialmente porque nenhuma se lembra da história de Feiurinha!

    Disposta a descobrir o paradeiro da princesinha, Cindy (como Cinderela é carinhosamente chamada) coloca todos para trabalhar, em busca de uma pista qualquer.

    Assim, ela acaba indo procurar ajuda nas mentes inventivas do mundo real onde encontra Pedro, um escritor com bloqueio criativo, e seus sobrinhos João e Maria.

    Mas, apesar dos esforços deles, que criam uma rede na internet com crianças do mundo todo, ninguém sabe do paradeiro de Feiurinha. E agora, como eles farão para resgatar a princesa desaparecida se ninguém a conhece?

Disponível em: http://www.xuxaemomisteriodefeiurinha.com.br

Nesse texto, a princesa encantada que coloca todos para trabalhar é


2. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

NÓS SOMOS IGUAIS, NÓS SOMOS DIFERENTES

    Ia ser muito chato se todas as pessoas fossem iguais, não é mesmo? Mas, por sorte, a humanidade é cheia de variedade e de cor (negros, brancos, amarelos e índios, que a gente diz que são vermelhos). E também existem os altos, os baixos, os gordinhos, os magros, os loiros e os morenos. Por causa das cores, as pessoas, muito antigamente, pensavam que os humanos estavam divididos em várias raças. Agora, não: nós sabemos que as diferenças são normais e saudáveis.

Cláudia, n. 440.

No trecho “Ia ser muito chato se todas as pessoas fossem iguais, não é mesmo?”, o ponto de interrogação foi utilizado para


3. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

O velho escravo

    Um velho escravo, já coxo e meio cego, voltava para o sítio quando o sol ia se pondo no horizonte. Repentinamente, ouviu um rugido que o deixou amedrontado. Era um leão que, de dentro da mata, o acompanhava espreitando-o como um gato persegue um rato.

    Já era noite e o sítio ainda estava longe. Ao chegar em uma colina que terminava num grande precipício, sentou-se à beira dele, pois suas pernas não suportavam mais o peso de seu corpo. Além disso, julgava estar mais a salvo, naquele lugar.

    Como era noite sem estrelas nem lua, mas escura como breu, o velho teve a ideia de colocar seu chapéu e paletó na ponta do cajado, cravado no chão.

    E deitou-se ao lado, já sem forças físicas. O leão, que o seguira de mansinho, aproximou-se do local e, como estava muito escuro, pensou que o vulto, que via em pé, era o do velho escravo.

    Num salto felino, jogou-se sobre o improvisado espantalho. Como estava rente ao precipício, rolou morro abaixo, indo parar no fundo do abismo que a própria natureza lhe preparara.

    O velho pôde, assim, dormir tranquilo a noite toda para, na manhã seguinte, prosseguir na sua caminhada, agora sem a ameaça da fera.

4 estações/ Verão, Erechim/RS: Edelbra, 10 de janeiro. Fragmento.

Leia novamente o trecho. O leão, que o seguira de mansinho, aproximou-se do local... (4° parágrafo). A expressão destacada possui sentido de


4. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Direito das crianças

  Toda criança do mundo

  Deve ser bem protegida

  Contra os rigores do tempo

  Contra os rigores da vida.

  (...)

  Não é questão de querer

  Nem questão de concordar

  Os direitos das crianças

  Todos têm de respeitar.

  (...)

  Ter direito à atenção

  Direito de não ter medos

  Direito a livro e a pão

  Direito de ter brinquedos.

  (...)

  Morango com chantilly,

  Ver mágico de cartola,

  O canto do bem-te-vi,

  Bola, bola, bola, bola!

  (...)

  Um passeio de canoa,

  Pão lambuzado de mel,

  Ficar um pouquinho à toa...

  Contar estrelas no céu...

ROCHA, Ruth. Os direitos das crianças segundo Ruth Rocha. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2002.

Nesse texto, a expressão “ficar um pouquinho à toa” significa


5. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Manguezal: um dos habitats mais ricos do planeta

    Se você também acha que o manguezal é um lugar feio, cheio de mosquitos e fedorento está na hora de rever suas ideias. Afinal, o número de admiradores desse ambiente só aumenta, e você precisa saber por quê.

    O manguezal é um dos mais ricos ambientes do planeta, possui uma grande concentração de vida, sustentada por nutrientes trazidos dos rios e das folhas que caem das árvores. Se você reparar bem, verá que ele tem ainda localização privilegiada: quase sempre existe em regiões muito iluminadas pela luz do Sol e, eventualmente, se localiza em áreas onde o rio se encontra com o mar. Por causa da quantidade de sedimentos – restos de plantas e outros organismos – misturados à água salgada, o solo dos manguezais tem aparência de lama. Mas dele resulta uma floresta exuberante capaz de sobreviver naquele solo inundado constantemente pela maré e com muita concentração de sal. [...]

Disponível em: http://www.cienciahoje.uol.com.br/145021 Acesso em: 20 jun. 2009.

De acordo com esse texto, os manguezais têm o solo com aparência de lama, porque


6. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

MEIO AMBIENTE

A descoberta do estranhíssimo sapo-fóssil

    Apareceu pelas colinas da Índia um sapo bem esquisitão. Para começar, ele é roxo (“creeedo!”). Tem sete centímetros e um focinho pontudo. A cabeça é meio pequena para o corpo, e, por isso, o bicho parece mais uma bolha gosmenta roxa (Creedo!) do que um ser vivo. E mais estranho que isso só o nome dele: Nasikabatrachus sahyadrensis (mas esse nome-palavrão na verdade quer dizer uma coisa bem simples – “sapo da montanha Sahyadri”).

    O sapo pode até ser feioso, mas, para os seus descobridores, ele é o bicho mais bonito do mundo. É que o sapo da montanha é um fóssil vivo, de 130 milhões de anos atrás. Os antepassados dele viveram na época dos dinossauros, e, por isso, o sapão roxo é muito importante para entender como os anfíbios da família dele evoluíram. Logo... o Nasika é lindo!

    Pois é... se o amor é cego, a ciência também! (mas que mal gosto, hein?)

Disponível em: http://www.canalkids.com.br/ central/arquivo/meio_sapofossil.htm

De acordo com esse texto, qual é a opinião dos pesquisadores sobre o sapo encontrado na Índia?


7. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Menino morde pitbull e se salva

    Um menino de 11 anos da cidade de Sabará, na região metropolitana de Belo Horizonte, inverteu a lógica ao morder um cão. Gabriel Almeida estava no quintal da casa de um parente quando foi atacado por um cão da raça pitbull. Ele chegou a gritar por socorro, mas, ao ser mordido no braço, conseguiu agarrar o animal pelo pescoço e cravar uma dentada. O menino usou tanta força que seu dente canino ficou preso na pele do animal. Com o braço enfaixado, ele falou sobre o ataque:

    – Não tem problema. É melhor perder um dente que perder a vida.

    O animal, que pertence ao tio do garoto, foi contido por pedreiros que trabalhavam em uma casa vizinha.

O Globo. Primeiro caderno. Rio de Janeiro, 24 jul. 2008.

O fato narrado pela notícia aconteceu


8. (AvaliaBH). Leia o texto abaixo:

Disponível em http://www.meninomaluquinho. com.br/PaginaTirinha/. Acesso em 05/07/2008.

A história de Maluquinho se passa


9. (PM-CAMAÇARI). Leia o texto abaixo e responda.

O ladrão e o cão de casa

    Querendo um ladrão entrar em uma casa de noite para roubar, achou à porta um cão, que com latidos a impedia. O cauteloso ladrão, para acalmá-lo, lhe lançou um pedaço de pão. Mas o cão disse: — Bem entendo que me dás este pão para que cale, e te deixe roubar a casa, não por amor que me tenhas: porém já que o dono da casa me sustenta toda a vida. Não deixarei de latir, se não for embora, até que ele acorde, e te venha surrar. Não quero que este bocado de pão que me custe morrer de fome toda a minha vida.

Moral: sempre terá amanhã, aquele que valoriza o que tem hoje.

O que diz na moral “sempre terá amanhã, aquele que valoriza o que tem hoje”, se dá porque o cachorro


10. (SAERS). Leia o texto abaixo.

Atchin! É gripe?

    Dores pelo corpo e de cabeça, garganta inflamada, tosse, febre, coriza... Será gripe? Ou será um resfriado? Embora apresentem sintomas extremamente parecidos, essas são duas doenças diferentes.

    O resfriado é uma infecção branda e costuma ser causado por vírus pertencentes à família Rhinovírus, que conta com mais de 100 tipos. Já a gripe – também conhecida como influenza – pode afetar seriamente o organismo graças à ação dos vírus conhecidos como influenza A, influenza B e influenza C.

    Embora as duas doenças possam levar a complicações como, por exemplo, inflamações no ouvido, bronquites e pneumonia, a gripe gera maior preocupação entre pesquisadores e profissionais de saúde devido ao alto poder de transmissão e mutação de seus agentes infecciosos. Isto é, os vírus causadores da gripe conseguem assumir novas formas e se espalhar rapidamente entre as pessoas resultando em epidemias da doença.

www.museudavida.fiocruz.br/publique/cgi/cgilu

Por que a gripe gera maior preocupação?


11. (1ª P.D – SEDUC-GO). Leia o texto abaixo e, a seguir, responda.

(Mauricio de Sousa. Chico Bento, n. 363. dez. 2000).

Os personagens da tira utilizam uma linguagem própria de


12. (Reforço Digital – RJ). Leia os textos a seguir e responda.

TEXTO 1

  Quando a chuva para

  E o sol aparece,

  Veja só o que

  Acontece:

  Deus pega um pincel

  E pinta sete cores

  No céu!

AZEVEDO, Alexandre. Poeminhas fenomenais. São Paulo, Atual.


TEXTO 2

  É um fenômeno óptico e meteorológico que separa a luz do sol em seu espectro (aproximadamente) contínuo quando o sol brilha sobre gotas de chuva. Ele é um arco multicolorido com o vermelho no seu exterior e o violeta em seu interior; a ordem completa é vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil (ou índigo) e violeta.

Os Textos 7 e 8 abordam, de forma diferente, o mesmo tema, que




Nenhum comentário:

Postar um comentário