Meus seguidores

domingo, 1 de janeiro de 2017

Quiz 7: PORTUGUÊS 5° ANO

Quiz 07: PORTUGUÊS 5° ANO
QUIZ 07: PORTUGUÊS 5° ANO

1. (PROEB). Leia o texto abaixo.

PARCERIA PERFEITA

    Nos desenhos animados, quando um personagem se irrita com o irmão, basta inventar um foguete e mandá-lo para o espaço ou então blindar o quarto para impedir a entrada do “chatonildo”.

    Mas no mundo real não é assim... Ainda bem! Ou você gostaria que seu irmão o enviasse para outra galáxia?

    No dia a dia, não há heróis ou vilões e, de repente, o chato pode ser você! Afinal, pessoas diferentes quase nunca têm as mesmas opiniões e preferências.

    Você e seus irmãos podem até brigar de vez em quando por causa disso, mas é importante que um respeite as ideias do outro e que ninguém termine o dia chateado.

    Até quem não tem irmãos, às vezes, enfrenta problemas parecidos com primos ou amigos. E aí vale a mesma sugestão: tente se colocar no lugar do outro e respeite as diferenças de opinião.

Recreio. n. 490.

De acordo com esse texto, em caso de briga entre irmãos, é importante


2. Leia o texto abaixo.

O DONO DA BOLA

    Caloca morava na casa mais bonita da nossa rua. Os brinquedos que Caloca tinha, vocês não podem imaginar! Até um trem elétrico ele ganhou do avô.

    E tinha bicicleta, com farol e buzina, e tinha tenda de índio, carrinhos de todos os tamanhos e uma bola de futebol, de verdade. Caloca só não tinha amigos.

    Porque ele brigava com todo mundo. Não deixava ninguém brincar com os brinquedos dele. Mas futebol ele tinha que jogar com a gente, porque futebol não se pode jogar sozinho.

    O nosso time estava cheio de amigos. O que nós não tínhamos era bola de futebol. Só bola de meia, mas não é a mesma coisa. Bom mesmo é bola de couro, como a do Caloca. Mas, toda vez que a gente ia jogar com Caloca, acontecia a mesma coisa. Era só o juiz marcar qualquer falta do Caloca que ele gritava logo:

    – Assim eu não jogo mais! Dá aqui a minha bola!

Rocha, Ruth. Marcelo, marmelo, martelo e outras histórias. Rio de Janeiro: Salamandra, p. 46.

Nesse texto, Caloca não tinha amigos porque


3. (PROEB). Leia o texto abaixo.

Perigos do sol

    Quando a gente se expõe ao sol forte, alguns tipos de raios solares atingem a superfície da pele e podem causar queimaduras. Aí a pele descasca. Se eles atingirem camadas mais profundas, a queimadura pode ser perigosa e sentimos ardência e dor.

Recreio. n. 343, out. 2006.

Esse texto serve para


4. (PROEB). Leia o texto abaixo.

Elixir

    Numa cidadezinha do interior, um jovem vendedor ambulante oferecia um maravilhoso produto chamado Elixir da Longa Vida. Na praça central, ele gritava empolgado:

    – Todo dia tomo uma colher desse elixir e olhem o resultado: já vivi 300 anos!

    Ouvindo isso, os espectadores logo correram para a banca abarrotada de vidros, onde um garotinho atendia a multidão. Foi quando um outro negociante, muito esperto, resolveu desmascarar aquela charlatanice. Foi até o menino e perguntou em voz alta para todo mundo ouvir:

    – Que história é essa? O seu patrão já viveu trezentos anos mesmo?

    E o menino respondeu:

    – Eu não tenho certeza. Só trabalho para ele há 120 anos.

AVIZ, Luiz (org.). Piadas da internet para crianças espertas. Rio de Janeiro: Record, 2001, p. 77.

Pelas pistas desse texto, a palavra “charlatanice” quer dizer


5. (PROEB). Leia o texto abaixo.

A MENINA CORAJOSA

    Esta história aconteceu com a minha bisavó paterna e foi contada pela filha dela, que é minha avó. Quando criança, minha bisavó morava num sítio. Seu pai sustentava a família trabalhando na roça. Todos os dias, ela ia levar comida para o pai no roçado, um lugar longe de casa. Sua cachorrinha sempre ia com ela. Um dia, quando levava a marmita para o pai, andando bem tranquila pela trilheira, num lugar onde a mata era fechada, viu que a cachorrinha começou a choramingar e a se enrolar nas próprias pernas. A menina percebeu que alguma coisa estranha estava acontecendo. Olhou para os lados e viu uma onça bem grande, com o bote armado, a ponto de pular do capinzeiro em cima dela.

    No que viu a onça, a menina ficou encarando a danada. Pouco a pouco, sempre olhando para o bicho, ela foi se afastando para trás sem se virar. Quando pegou uma boa distância, a menina correu em disparada até se sentir segura.

    Quando chegou em casa, estava sem voz. Depois de muito tempo é que conseguiu falar.

    Os homens da fazenda pegaram as armas e foram procurar a onça. Mas não a encontraram.

    Minha bisavó foi muito corajosa, porque na hora em que ela viu a onça, conseguiu lembrar do que o povo dizia: “Onça não ataca de frente, porque tem medo do rosto da pessoa. Quem quiser se ver livre dela basta encarar a danada e não lhe dar as costas”.

   

TOMAZ, Cristina Macedo. De boca em boca. São Paulo: Salesiana, 2002.

Na frase “Quem quiser se ver livre dela basta encarar a danada e não lhe dar as costas”, a palavra destacada se refere à


6. (PROEB). Leia o texto abaixo.

Meu querido blog

    O diário do século XXI é on-line, para a galera poder bisbilhotar Os melhores diários do passado tinham um pequeno cadeado. A moça escrevia seus sentimentos mais íntimos no caderno e passava a chave para que ninguém ficasse sabendo o que lhe ia pela alma. O blog também é um diário, só que com a intimidade virada de cabeça para baixo: é colocado na internet para ser bisbilhotado por todo mundo. Escrever um diário on-line exige desprendimento da própria intimidade e pouquíssimo conhecimento de internet.

    É só seguir o passo a passo que aparece nos sites que oferecem esse serviço. [...] Blog é uma abreviação de weblog, ou seja, em português, arquivo na rede. As possibilidades são infinitas. Pode-se juntar texto próprio com imagens, sons, desenhos tirados da rede e mesmo dos sites que os abrigam. A diferença em relação às antigas páginas pessoais na rede é que no blog tudo é escancarado e o visitante pode deixar comentários ou as próprias fotos. E tudo isso gratuitamente.[...]

Veja Especial Jovem. São Paulo: Abril, Seção Comportamento, ago. 2003. Fragmento.

Qual é o assunto desse texto


7. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

BOCA-DE-LOBO E OS MIL PORQUINHOS

    Esta é uma história de lobo. Ou melhor: de boca-de-lobo. Mas não é aquela boca enorme, que engoliu a vovozinha. A nossa boca-de-lobo é, na verdade, bem boazinha.

    Ela mora na cidade, encostada na calçada. E a única coisa que engole, é água da enxurrada.

    O problema é que aqui, onde mora a boca-de-lobo, moram também mil porquinhos que jogam lixo no chão. Os porquinhos jogam lata, garrafa, papel e jornal. E a pobre boca-de-lobo, que já tem que engolir tanta água, engole também esse lixo e começa a passar mal.

    Então, quando a chuva aumenta e cai, cai sem parar, a boca-de-lobo, aqui embaixo, já começa a reclamar: “Alto lá! Eu não quero mais nada, nem mesmo um golinho d’água. Os porquinhos me deram lixo, agora eu estou lotada.”

    E com boca-de-lobo fechada, a água não tem para onde ir, vai entrando pelas casas e começa a destruir. Pra história não terminar com todo mundo nadando, o jeito é contar pros porquinhos que cidade não é chiqueiro. Lugar de lixo é na lixeira, não é entupindo bueiro. Porque água na rua, minha gente, acaba virando enchente!

Boca-de-lobo e os mil porquinhos na história da enchente. Encarte da SLU-PBH

Quem são os mil porquinhos dessa história?


8. (SAEPI). Leia o texto abaixo.

Disponível em: http://ziraldo.blogtv.uol.com.br/img/image/Ziraldo/2011/ Janeiro/zoom/tira_meninomaluquinho27_01_2011.jpg.Acesso em: 28 jan. 2011.

No primeiro quadrinho desse texto, a expressão da menina revela


9. (Prova Brasil). Leia o texto abaixo.

Poluição do solo

    É na camada mais externa da superfície terrestre, chamada solo, que se desen¬volvem os vegetais. Quando o solo é contaminado, tanto os cursos subterrâneos de água como as plantas podem ser envenenadas.

    Os principais poluentes do solo são os produtos químicos usados na agricultura. Eles servem para destruir pragas e ervas daninhas, mas também causam sérios es¬tragos ambientais.

    O lixo produzido pelas fábricas e residências também pode poluir o solo. Baterias e pilhas jogadas no lixo, por exemplo, liberam líquidos tóxicos e corrosivos.

    Nos aterros, onde o lixo das cidades é despejado, a decomposição da matéria orgânica gera um líquido escuro e de mau cheiro chamado chorume, que penetra no solo e contamina mesmo os cursos de água que passam bem abaixo da superfície.

    {...}

Almanaque Recreio. São Paulo: Abril. lmanaques CDD_056-9. 2003.

No trecho “É na camada mais externa da superfície terrestre” (ℓ.1), a expressão sublinhada indica:


10. (SAERJ). Leia o texto abaixo.

    Fernanda Takai, vocalista da banda mineira Pato Fu está participando da campanha Atitude Rosa’n Roll, do programa Mundo Rock de Calcinha (MRC). O objetivo é conscientizar o público jovem sobre a importância de doar sangue. “A gente precisa de mais doadores de vidas. Se todo mundo der um passinho adiante e passar a se enxergar como fonte de vida, nossa existência como seres humanos pensantes e dignos estará mais justificada”, diz a cantora. A campanha vai até dia 26 de março.

    Mais informações: www.mundorockede calcinha.com/atitude.

Revista 7 dias com você, março/2008.

O assunto principal desse texto é


11. (SPAECE). Leia o texto abaixo.

Disponível em: http://www2.uol.com.br/laerte/tiras/index-condominio.html.

No último quadrinho, o rapaz abre um guarda-chuva para


12. Leia os textos abaixo.

Texto I

JOÃO E MARIA

    Era uma vez um menino chamado João e sua irmã Maria, que moravam em uma casa perto da floresta.

    Um dia, sua mãe pediu que fossem buscar galhos secos para acender o fogo. Não precisavam trazer muitos, apenas o bastante para acender a lareira.

    — Não vão muito longe. Os galhos que temos aqui perto já servem, não vão se perder por aí...

    — Pode deixar mamãe, vamos voltar logo!

    E lá se foram os dois procurar gravetos secos por ali, entre várias brincadeiras.

    Não queriam ir longe, mas estavam tão curiosos com a floresta que resolveram arriscar só um pouquinho.

    Maria teve uma idéia genial: foi marcando todo o caminho, para saber por onde voltar: assim não iriam se perder. E brincaram à vontade.

    Já estava querendo escurecer quando resolveram voltar. Maria foi logo procurando os pedacinhos de pão que deviam estar marcando o caminho, mas...

    Os passarinhos que moravam ali estavam achando ótimo aquele lanchinho, e não deixaram nem um miolinho de pão sobrar.

(http://www.feijo.com/~flavia/joaoemaria.html acesso em: 15/10/2007)

Texto II

(http://www.monica.com.br/index.htm)

Qual a relação existente entre os dois textos?




Nenhum comentário:

Postar um comentário